imprensa

SAMAE avança na substituição da rede de cimento amianto

O Serviço Municipal de Água e Esgoto (SAMAE) de Brusque, através de seu diretor-presidente, Roberto Bolognini, informa que dois quilômetros da rede de cimento amianto serão substituídos em 2015. Até o momento, mais de 900 metros da antiga rede já foram removidos e a continuidade das obras planejadas depende da condição climática.
Desde abril, quando a nova gestão assumiu a autarquia, todos os esforços estavam concentrados em uma única prioridade: a produção de água. No entanto, as obras de remoção da rede de cimento amianto também tiveram continuidade porque são necessárias e, passo a passo, o SAMAE avança neste sentido.
“Não deixamos de lado a substituição da rede de cimento amianto. Mas a situação é delicada, porque ela esta situada em nossa área mais densa, que é o Centro da cidade. Ainda assim, está no planejamento a substituição dois quilômetros ainda em 2015. Reitero que a nossa prioridade é a produção de água, mas, sempre que existir verba disponível, há o compromisso de não deixar essa necessidade de lado”, afirma Bolognini.
De acordo com o diretor-presidente, além dos altos valores que envolvem obras como esta, existe todo um planejamento a ser feito, levando-se em consideração o fluxo de veículos e pedestres na região central de Brusque. Além disso, os diâmetros das tubulações que ali estão instaladas também são maiores.


Ruas que já receberam a substituição da rede de cimento amianto
Afonso Pena – 262 metros de rede
Riachuelo – 378 metros de rede
Henrique Bosco – 117 metros de rede
José Bonifácio – 84 metros de rede


Ruas que vão receber a substituição da rede de cimento amianto
Prudente de Moraes – 151 metros de rede
Arthur Olinguer – 200 metros de rede
Vicente Schaeffer – 311 metros de rede
João Luiz Gonzaga – 590 metros de rede


Saiba mais
O que é o amianto e por que nos preocupamos com ele?
O amianto já foi amplamente utilizado na produção de muitos produtos industriais e domésticos devido às suas propriedades práticas, incluindo retardamento de chamas, isolamento elétrico e térmico, estabilidade química e térmica e alta resistência à tração.
Proibido em mais de 50 países, o amianto é reconhecido como causa de várias doenças e cânceres, sendo considerado um risco à saúde se inalado. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que 90 mil pessoas morrem anualmente no mundo devido à exposição ao amianto no local de trabalho.
Mais de 90% das fibras de amianto produzidas hoje no Brasil são utilizadas em materiais de construção, como folhas planas e corrugadas, tubos e caixas d´agua. Outros produtos ainda manufaturados com conteúdo de amianto incluem revestimentos para freios e embreagens de veículos, tetos e gaxetas.
O SAMAE orienta a não utilização destes materiais, em especial as caixas d´agua.